Deus se agradou de Ezequias, mas nem tanto. Por que?

No capítulo 18 de 2º Reis, Ezequias é proclamado rei. Este agiu de modo aprovado diante de Deus e foi ele que destruiu os altares de idolatrias que perduraram por anos a fio. Deus era com ele, pois era temente e fiel , porém, existe um senão nessa relação, como se Deus não se agradasse dele 100%, como se houvesse ‘um’ 1% de reservas da parte do Pai para com o rei.

Por Ex.: no versículo 23 do capítulo 19, em uma mensagem de resposta enviada de Deus, por meio de Isaías, O Eterno fala que foi ofendido por  por Ezequias, quando este gabou-se de suas conquistas, sendo que na verdade, a glória é de Deus, como Ele diz no versículo seguinte, que ‘tudo já estava determinado e planejado desde antes da antiguidade’.

No versículo 27, Ele fala do quanto e de como conhece Ezequias e que por isso irá limitar o seu agir, o seu poder, mas logo a seguir a isto, diz-lhe que se ele plantar boas sementes, comerá bons frutos após essas dificuldades.

Também no versículo 34, Deus fala que salvará a cidade por amor de Si próprio e por amor a Davi e não fala nada sobre amar ou algo parecido a Ezequias, que é quem no momento enfrenta todas as lutas.

Ou seja, Deus se agrada de Ezequias, mas nem tanto assim;

Ezequias etá aprovado, mas poderia estar mais que isso, poderia ser “mais aprovado que isso”! E logo à frente, percebemos uns resquícios das razões do Altíssimo (pois Ele sonda os corações, e muitas coisas nós não sabemos mas Ele sabe)

VEJA: Após Deus curar Ezequias de uma doença de morte e lhe acrescentar  mais 15 anos de vida, Deus declara por meio de Isaías que (devido ao seu erro de ter mostrado tudo o quanto havia no palácio aos seus ‘visitantes’ da Babilônia) haveria um dia em que tudo do seu palácio seria levado e que além disso sua descendência seria extinguida, seus filhos seriam levados como eunucos para serem servos na Babilônia, porém, Ezequias não demonstrou nenhuma preocupação por seus filhos, simplesmente deu graças por que essas coisas não sucederiam durante o seu reinado.

ORA!

Deus sempre soube dessa natureza de Ezequias e que apesar de ele agradar ao Senhor, não tinha grande amor pela sua família. Tinha fé e fidelidade a Deus mas não tinha amor pelos seus.

Assim como acontece com muitos crentes, que cuidam bem de sua vida com Deus, mas quando se trata de amar ao próximo, nem lembra-se que esse é o segundo mandamento.

OBS: Quando Deus manda uma doença de morte sobre Ezequias, era para que ele terminasse seus dias em vitória, pois sabendo todas as coisas, Deus via o que iria acontecer ao seu reinado, mas a carnalidade do rei falou mais alto e este, orou a Deus para que não morresse (como 99,99% de nós haveria feito) e Deus lhe concedeu o seu direito de viver, ouviu sua oração, porém, o galardão recebido, já não foi o mesmo que seria se tivesse feito a vontade de Deus.

Ou seja: A vontade de Deus é perfeita e sempre será, mesmo que naquele momento não vejamos isso.